O menisco é uma estrutura de cartilagem presente no joelho que tem como principal função proteger o órgão de impactos ou pancadas e por isso, é bastante propensa a sofrer lesões. Confira no nosso artigo de hoje um guia completo sobre este problema e como o tratamento com pilates pode ajudar.

O que é lesão no menisco?

O joelho é uma articulação bastante complexa que permite movimentos em até 7 eixos diferentes. O menisco é parte fundamental da cartilagem desta região, funcionando como lubrificador, estabilizador, amortecedor e distribuidor de carga dentro da articulação.

Cada joelho tem dois meniscos, um do lado interno (o medial) e outro do lado externo (o lateral). Enquanto o segundo é mais móvel, o primeiro está mais fixo e propenso à lesões. Sua principal função é a de distribuir a carga que passa na articulação para ajudar a diminuir a pressão sobre a cartilagem que recobre os ossos no joelho, atuando como um amortecedor.

A lesão no menisco prejudica esta proteção e expõe a cartilagem ao desgaste. Ela pode acontecer em indivíduos de ambos os sexos e normalmente estão associadas a um desgaste progressivo do joelho.

Classificação

As lesões no menisco são classificadas de acordo com a sua localização, vascularização e padrão do trauma. Ao fazer o diagnóstico, o médico procura determinar todas estas variáveis para determinar o melhor tratamento para a lesão.

  • Localização: medial e lateral;
  • Vascularização: vermelha-vermelha, vermelha-branca e branca-branca;
  • Padrão do trauma: vertical, horizontal e complexa.

Sintomas da lesão no menisco

Já parou para prestar atenção nos sinais que o seu corpo manda para você? Eles podem ser a indicação de que algo está errado. Conheça agora os principais sintomas da lesão no menisco e procure ajuda médica se for necessário:

  • Dor na região anterior e/ou lateral do joelho;
  • Dificuldade para subir e descer escadas;
  • Dificuldade para caminhar e fazer movimentos rotineiros;
  • Inchaço na região dolorida;
  • Perda ou bloqueio do movimento;
  • Sensação de que o joelho está fora do lugar.

Se por um acaso você sofrer algum trauma ou travamento no joelho, vá atrás de um acompanhamento especializado e verifique se há alguma lesão. Esta atitude pode evitar o desenvolvimento de algum processo degenerativo nas articulações.

Diagnóstico da lesão no menisco

Assim que os sintomas começam a aparecer ou o joelho sofre algum trauma, o ideal é procurar um ortopedista. Normalmente, este médico solicita uma radiografia e ressonância magnética, além de realizar o diagnóstico clínico por meio de palpação.

Durante o exame físico, o profissional consegue analisar a localização da lesão. Se há dor na rotação externa, indica que o trauma é no menisco medial, enquanto o incômodo na rotação interna significa lesão de menisco lateral.

Outro profissional que consegue avaliar a lesão é o fisioterapeuta que pode diagnostica o problema por meio de testes de provocação de dor específicos realizados no consultório.

Importante ressaltar que boa parte das lesões no menisco podem ser revertidas. Se isso não for possível, o tratamento pelo menos diminui a intensidade do quadro.

Causas da lesão no menisco

Normalmente, as lesões no menisco surgem após uma pancada forte no joelho. Esta ação é bastante comum em vários tipos de esporte, como futebol, basquete, vôlei e tênis. Porém, o problema também pode aparecer depois de algumas situações rotineiras. Entre os principais exemplos, temos:

  • Virar muito rápido o corpo sobre uma perna;
  • Fazer agachamentos muito fundos;
  • Levantar muito peso utilizando a força das pernas;
  • Prender o pé enquanto caminha.

O avanço da idade também pode ser uma das causas de lesões no menisco. Ao longo dos anos a cartilagem vai ficando mais enfraquecida devido ao seu uso constante e a diminuição da circulação de sangue para o local. Isso faz com que pacientes acima de 50 anos sofram com a lesão de forma mais simples, como simplesmente subir ou descer escadas.

Na maioria dos casos, a lesão no menisco lateral acontece após movimentos bruscos, enquanto que o trauma no menisco medial se forma por movimentos repetitivos.

Qual o principal grupo de risco?

Apesar da lesão no menisco poder afetar qualquer um, existem dois grupos que são mais propensos a terem que lidar com este problema:

  1. Os jovens praticantes de esporte. Afinal, boa parte das lesões aparecem após uma pancada forte no joelho.
  2. Pessoas acima de 50 anos que já estão com a cartilagem mais enfraquecida.

Especialmente no primeiro grupo, as lesões estão bastante relacionados a eventos traumáticos, sendo bastante comum acontecer traumas também nos ligamentos. Já boa parte dos pacientes do segundo grupo sofrem com o desgaste natural das cartilagens.

Como prevenir a lesão no menisco?

Agora que você já sabe as principais causas de lesão no menisco, fica mais fácil entender como é possível prevenir o problema. Como falamos anteriormente, os esportes que exigem demais dos membros inferiores, que incluem movimentos de hiperflexão (lutas), de saltos ou movimentos rotacionais do joelho, são os que têm o maior risco de causar lesões. A corrida, em que cada passada gera um impacto de carga no joelho, também pode provocar este trauma.

De modo geral, qualquer atleta, seja ele amador ou profissional, está sujeito a sofrer com lesões no menisco. Confira alguns cuidados durante a prática que podem reduzir esse risco:

  1. Mantenha o seu peso próximo do IMC ideal e procure emagrecer se estiver com sobrepeso. Como o joelho é uma articulação de carga, ou seja, suporta todo o peso de seu corpo, quanto maior for o esforço, maior é o risco da lesão acontecer.
  2. Pratique o esporte rotineiramente. Desta forma, seu corpo se acostuma com os movimentos e automaticamente desenvolve mecanismos de proteção.
  3. Não se esqueça da musculação. Ao submeter o seu corpo a um esporte que exige muito das articulações, uma forma inteligente de protegê-las é por meio de músculos treinados que absorvem boa parte da carga gerada na atividade.
  4. Escute os sinais do seu corpo e não menospreze nenhum tipo de dor ou sentimento de cansaço. O incômodo pode ser o primeiro sintoma de uma lesão que precisa ser diagnosticada para não piorar e o cansaço é uma forma do seu corpo avisar que precisa de descanso.
  5. Pratique treinos de propriocepção que melhoram tanto o equilíbrio, quanto a consciência corporal. Este tipo de atividade pode evitar lesões e traumatismos. Boas opções são o pilates e a yoga.

Tratamento para lesão no menisco

Como já dissemos em outro tópico, a lesão no menisco pode ser completamente recuperada. Para que o prognóstico seja positivo é importante contar com o diagnóstico correto e seguir a risca as orientações médicas.

Normalmente, é recomendado que se faça um tratamento com fisioterapia e outros exercícios, como o pilates. Para complementar a sessão, o fisioterapeuta pode colocar uma bolsa de gelo durante 15 minutos na região afetada para que ela desinche.

Após 2 meses de tratamento, o paciente deve voltar ao médico para que ele avalie se é necessário adequar o planejamento. Por exemplo, mesmo que a dor já tenha passado, a pessoa ainda não consegue dobrar completamente o joelho.

A duração do tratamento varia de acordo com o tamanho da lesão, estado de saúde geral do paciente e se ele tem disponibilidade de realizar diariamente a fisioterapia. De forma geral, os profissionais esperam uma boa recuperação em cerca de 4 a 5 meses, mas muitas pessoas precisam de mais de 6 meses para se recuperar totalmente.

Em casos mais graves, há a necessidade de realizar uma cirurgia para costurar ou cortar a parte lesionada do menisco. Após a operação, o paciente precisa ficar com a perna completamente imobilizada por algum tempo.

Como é a cirurgia para recuperar o menisco?

Em situações mais graves, em que os tratamentos não-invasivos não apresentam uma boa resposta, o médico pode optar pela cirurgia para recuperar o menisco. Apesar de ser  uma operação relativamente tranquila, o paciente precisa passar por uma série de cuidados antes de ser submetido ao procedimento. Após uma investigação detalhada para localizar corretamente a lesão, o paciente também precisa passar por alguns exames pré-anestésicos, como de sangue e avaliação cardiológica.

Geralmente, o cirurgião realiza a cirurgia de recuperação do menisco com anestesia local e sedativo. No joelho, o profissional faz 3 furos, por onde entram os instrumentos necessários para costurar ou remover a parte lesionada. O médico pode optar por uma destas formas de tratamento:

  1. Costurar a parte mais externa do menisco, já que ela é irrigada pelo sangue e por isso pode se regenerar;
  2. Remover a parte afetada do menisco, mantendo a área saudável para evitar artrose precoce.

A operação é rápida com uma duração média de 30 minutos. Lembrando que este tempo pode variar dependendo do caso de cada paciente, como o tamanho e tipo de lesão apresentada. Os riscos neste tipo de procedimento são praticamente inexistentes, sendo que o principal está relacionado ao desenvolvimento de trombose.

Muitas vezes o paciente não precisa ficar internado ou então passa somente uma noite no hospital. Contudo, o tempo de recuperação em casa é um pouco longo, podendo variar de 2 a 3 semanas para o menisco medial e de 2 meses para o menisco lateral.

O pós-operatório

Apesar do tempo do paciente no hospital ser bastante curto, os cuidados pós-operatórios precisam ser seguidos à risca em casa. Normalmente, o uso de muletas é obrigatório para a locomoção durante alguns dias. Cerca de uma semana depois do procedimento, as sessões de fisioterapia já devem ser iniciadas. Além de tratar as dores, elas vão ajudar também a recuperar os movimentos do joelho.

Para voltar a praticar caminhadas, corridas ou qualquer outro tipo de atividade física é fundamental que você tenha o aval do médico responsável. De forma geral, os exercícios de menor impacto podem ser retornados após 45 dias da operação

Importante ressaltar que a recuperação de uma cirurgia é bastante individual e cada paciente reage de uma maneira.

Remédios no pós-operatório

Qualquer medicamento utilizando durante este período deve ser receitado pelo médico responsável do caso. Nos primeiros dias após o procedimento, o profissional pode indicar o uso de remédios para diminuir a dor.

Apesar de aliviarem o incômodos, as pomadas não podem ser aplicadas até que a ferida esteja completamente cicatrizada. Para acabar com o dor e o inchaço do joelho de forma natural, prefira aplicar uma compressa gelada na região enquanto descansa com as pernas para cima.

A alimentação no pós-operatório

A alimentação pode ser um poderoso remédio natural durante este período. Nesta fase, evite consumir alimentos que sejam ricos em açúcar e aumente o consumo de produtos ricos em proteínas, que ajudam na regeneração de tecidos e músculos. Não se esqueça também de se manter hidratado para ajudar na lubrificação dos joelhos.

Como o paciente não pode praticar atividades físicas nessa época é interessante que ele fuja de alimentos que possam aumentar o seu peso e sobrecarregar a articulação. Então, diminua o consumo de fast food, refrigerantes e pratos fritos.

Tratamentos não-invasivos

Os tratamentos convencionais (não-invasivos) quase sempre são a primeira opção dos médicos. Para complementar a tradicional fisioterapia, existem alguma práticas que podem ser realizadas em casa. Lembrando que antes de realizar os exercícios descritos abaixo é interessante consultar o seu médico ou fisioterapeuta. Confira:

  1. Dobrar e esticar a perna enquanto está deitado de barriga para cima. Repita 3 séries de 60 vezes.
  2. Movimente suavemente a patela do joelho de um lado para o outro e de cima para baixo.
  3. Realize massagem de 5 minutos diariamente na coxa.
  4. Contraia os músculos da coxa com a perna esticada. Repita o movimento 20 vezes seguidas.
  5. Realize exercícios na piscina, como andar dentro da água durante 10 minutos.
  6. Realize exercícios de equilíbrio inicialmente sem nada e depois numa bola meio vazia.
  7. Realize exercícios para as pernas com faixas elásticas e depois com pesos. Repita 3 séries de 20 vezes.
  8. 15 minutos diários na bicicleta ergométrica.
  9. Mini agachamentos até o limite da dor. Repita 3 séries de 20 vezes.
  10. Alongamentos diários para pernas para aumentar a flexibilidade na região.

Pilates para lesões no menisco

Já comentamos em outros artigos sobre a funcionalidade e os benefícios do Pilates. Além de trabalhar a mente e o corpo em conjunto, esta atividade física é altamente recomendada para quem deseja se recuperar de uma lesão no menisco. Afinal, o exercício atua no refortalecimento das estruturas adjacentes (como músculos e tendão) e subjacentes do joelho.

Os especialistas Kurosawa e Fukubayashi concluíram que ao remover parte do menisco, a área de contato femorotibial diminui de 33 a 50% e isso aumenta as cargas de contato em 200 a 300%. Ou seja, o corpo precisa de algo que fortaleça os músculos flexores, extensores, abdutores e adutores para compensar a lesão, já que são eles que vão manter o joelho estável a partir de agora. A boa notícia é que o fortalecimento da musculatura é uma das principais funcionalidades do Pilates.

Essa atividade física também pode ser utilizada como um método de prevenção e não só reabilitação do joelho. Justamente porque o exercício trabalha com a precisão do controle muscular e coordenação e fluidez do movimento, tudo sem impor qualquer desgaste articular.

O paciente que utiliza o Pilates como parte de tratamento da lesão no menisco tem como principais objetivos: redução da dor e do processo inflamatório, recuperação da mobilidade do joelho, estabilização articular, restauração da força muscular, melhora do equilíbrio e coordenação do alinhamento corporal. Deu para entender porque esta atividade é tão completa? São muitos benefícios e funções em um único exercício.

Como funciona o tratamento com Pilates?

Como o tratamento com Pilates tem como meta reabilitar a cartilagem do joelho, o começo da rotina desta atividade física precisa ser lenta e progressiva.

Uma articulação saudável é resultado do equilíbrio entre músculos fortes e flexíveis. Assim que o tratamento se inicia, os exercícios mais indicados são aqueles de mobilização articular passiva e ativa, sem nenhum uso de carga ou peso. Também pode ser incluído na sessão o trabalho de isometria de isquiotibiais e quadríceps.

Nesta fase, as atividades de alongamento ativo também são uma boa opção. Elas atuam para a redução de tensões musculares, melhora da amplitude de movimento, ativação da circulação, diminuição do atrito entre as estruturas articulares e estimulação dos mecanorreceptores.

Com o passar do tempo, é possível inserir de forma gradual os exercícios de cadeia cinética fechada que trabalham com a força dinâmica, inicialmente bilateral e depois progredindo para o apoio unilateral que exige um maior recrutamento muscular.

Os movimentos que tem como objetivo fortalecer a musculatura são fundamentais para estabilizar a articular, assim como a estimulação proprioceptiva. Contudo, este último exercício é melhor aplicado na fase mais avançado do tratamento, já que ele melhora o controle neuromotor do equilíbrio e da marcha.

Por fim, é sempre importante ter em mente de que todo o tratamento deve ser global, enfatizando também a mobilização e reforço muscular de algumas estruturas adjacentes ao joelho, como coluna, quadril e tornozelo.

Ao longo das sessões, o paciente deve relatar melhora na dor, inchaço, função e mobilidade, podendo retornas às suas atividades normais no fim do tratamento.

Quais são os cuidados para praticar o Pilates?

Apesar de todos os benefícios e funcionalidades da atividade, é preciso tomar alguns cuidados antes de começar a praticar o Pilates.

Além de serem realizados de maneira lenta e progressiva, os exercícios precisam ser individualizados e supervisionados por profissionais treinados e qualificados. Por isso, é fundamental que uma avaliação física seja realizada antes da atividade ser iniciada.

O treinador deve ter conhecimento de qual fase do tratamento para a lesão no menisco o paciente se encontra, assim como a sua capacidade física, idade, limitações funcionais e se ele praticava algum tipo de exercício físico antes do trauma.

Outra avaliação que deve ser realizada é a das amplitudes articulares do joelho e articulações associadas (quadril e tornozelo). Assim como as das funções musculares, das limitações funcionais e do impacto da lesão no menisco na marcha. Com todas estas informações, o instrutor consegue elaborar um programa de tratamento específico para cada um de seus alunos.

Também é interessante que o professor de Pilates trabalhe em conjunto com o médico e fisioterapeuta. Desta forma, o tratamento é potencializado e os possíveis riscos são reduzidos. Cabe ao instrutor acompanhar o desenvolvimento do aluno durante os exercícios e verificar a ocorrência de dor ou outros sintomas. Se ele notar algo de errado ou não previsto, o paciente deve ser encaminhado para uma nova avaliação com o ortopedista.

Ao longo do tempo, o paciente fica livre da dor e é liberado para praticar outras atividades de baixo impacto e que não provoquem a hiperflexão do joelho. Porém, antes de inciar qualquer outro exercício, é interessante que ele tenha o aval do médico e fisioterapeuta primeiro.

Aqui no Instituto Pilates, todos os alunos passam por uma avaliação física criteriosa, em que são levados em conta as suas delimitações físicas, capacidade muscular e objetivos que deseja alcançar com o Pilates. Com isso, os nossos profissionais montam um plano de exercícios individualizado e pensado para cada um.

Sinais de melhora ou piora

Logo que o tratamento se incia e o paciente segue todas as orientações médicas e fisioterapêuticas, os primeiros sinais de melhora já começam a ser notados, como a redução da dor e do aspecto inchado. Se mesmo seguindo todas as recomendações a risca os sintomas não desaparecerem, é imprescindível o retorno ao profissional. Assim, ele pode decidir se é necessário mudar o tipo de tratamento ou não.

Possíveis complicações

Caso o paciente tenha a lesão no menisco, mas decida não seguir o tratamento e as orientações profissionais é bastante provável que haja um agravamento do trauma.

Entre os principais problemas que a falta de intervenção pode causar estão a ruptura do menismo e uma artrose precoce no joelho. Inclusive, em alguns casos em que a cirurgia não era necessária no começo passa a ser essencial para ter qualidade de vida.

Falando em aspectos menos grave, não tratar o trauma pode limitar a vida da pessoa que precisa começar a seguir uma rotina sentindo dores constantes no joelho.

Você sofre com dores constantes no joelho ou então pratica algum esporte de alto impacto? Que tal incluir o Pilates na sua vida? Além de ajudar no tratamento da lesão no menisco, esta atividade pode prevenir que você sofra com o trauma futuramente. Confira qual unidade do Instituto Pilates está mais perto de você e venha conhecer um pouco mais sobre o nosso método de trabalho.

O post Lesão no menisco: como tratar com pilates? apareceu primeiro em Instituto Pilates.

Source: Instituto Pilates